segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Desassossego-me

Desassossego-me
nesta ânsia de te ver
só de longe meu amor
só de longe…
O brilho do meu olhar
está agora nas tuas mãos
e eu que não as toco
nem de leve
nem ao de leve…

(assim… sentes?)

O frio entranhou-se-me na alma,
não foi o inverno que chegou,
é a tua ausência.
Regressa, depressa
num voo rasgado
que meu peito suspira…
E olha-me
olha-me nos olhos
vê todo o meu amor
neste sorriso envergonhado.
Veste-me de carinho
despir-me-ei de lágrimas
e num cântico envolvente
em notas soltas de paixão
serei sempre tua.. por inteiro.

5 comentários:

david santos disse...

Olá!
Belo. Profundo e sentido.
Parabéns.

David Santos

Memórias de um Feto disse...

Um grito silencioso, num disfarçado deslizar de uma lágrima contida...

Adoro este poema!

Beijinhos
Manuela

Um Momento disse...

Em palavras me aqueces-te neste frio dia
Belo o que leio de ti
Deixo um beijo com o desejo de Muito Boas Festas:)))

(*)

ZezinhoMota disse...

Gostei do momento que te li e vou regressar para te continuar a ler.

BOAS FESTAS E PRÓSPERO NOVO ANO DE 2008.

ZezinhoMota

Cöllyßry disse...

Hoje desejo… que a Harmonia neste Natal desça sobre ti
Em forma de chuva de pétalas.

Doce beijo