segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Perdi-me no bosque


Perdi-me no bosque
da ilusão,
de diálogos interditos
vacilei entre a calma
imperativa
e o enigma dos sinais omissos.
Divaguei
entre a sombra tecida
de finos, quase invisíveis
raios de lucidez
maturados de súplicas olvidadas.
Nesta insónia,
que me engole lentamente,
adormeço sabores, doces
celestes, quase virgens.
Transfiguro-me
numa cegueira lacustre
deito o corpo cansado,
fustigado,
nas quilhas de árvores
desse bosque ilusório
tecendo fio a fio
a teia do esquecimento…

(que me serve de leito)

3 comentários:

Maria disse...

Que bonito, Rosa...
... qual bela adormecida... no bosque...

Beijinho

Manuela Fonseca disse...

Muito bonito mesmo, Rosa!

Beijinhos

Bruxinhachellot disse...

Um bosque de pura magia refletido em suas palavras. Lindo!

Beijos dançantes.