domingo, 5 de agosto de 2007

Sabe-me a sal


Sabe-me a sal
dor fingida.
Sabe-me a vazio
dor simulada.
Ando, tropeço, em silêncio
persigo-te na escuridão
de uma mágoa forjada.


Conheci-te companheiro
na berma de uma estrada.
Deambulavas perdido
na imensidão da tua dor.
Parei. Cobri-te com a minha
manta retalhada de consolo.
Tão pouco, quase nada...
E ficou-me este vazio
de te ver apenas partir
tão pobre do que te ofereci,
tão rico de solidão.

E eu... somente te vi passar.

1 comentário:

Paulo Afonso disse...

Muito belo!

Este canto é excelente, parabéns.

Beijo