quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Suspiro indomável

Suspiro indomável
neste peito aberto
a carícias atrevidas,
beijos servidos
em labaredas de sabores.
Percorre meu corpo
com teu olhar sedutor,
deita-me em cama
tecida de luares de prata,
desfeita de pudores.
Cola teu corpo ao meu
num abraço tão leve..
quase depravado…
Espero-te num calor desatinado
sôfrego
e nesta tormenta meu amor
suspiro por ti,
desenho flores em mim
visto pedaços de luxúria
ofereço-me em taças de doce licor
que em ti vou beber
gota a gota
numa volúpia consentida,
consumada...
em nós.

8 comentários:

Secreta disse...

Um poema belo , onde os teus sentires nos tocam a alma.

Bruxinhachellot disse...

"... labaredas de sabores"
Suspirei!Ah!

Beijos enigmáticos.

Vera disse...

Rosinha, Rosinha... Eu é que saio daqui a suspirar!!!
Está lindo, sensual...
Amiga andas mesmo inspirada! Muito sensualmente inspirada!

Beijo grande minha Rosinha

Manuela Fonseca disse...

Um poema divinal, apetecido, bem escrito e, docemente, sensual...

Beijinhos*
Manuela

Nilson Barcelli disse...

Mais um excelente poema, tal como os 2 que estão abaixo e ainda não tinha lido.
Este teu suspiro indomável vale, entre outros atributos, pela imagens sensuais que conseguiste criar (exº: ofereço-me em taças de doce licor que em ti vou beber gota a gota numa volúpia consentida).

[[cleo]] disse...

Hum... caliente!

Oferece-te sim, decerto que ele não deixará de te agradecer...

Gosto quando escreves coisas assim tão leves, quentes e belas!

Beijo

Um Momento disse...

E em suspiros te li
Entre suspiros me vencantei
Deixo-te um beijo meu
Que ao teu coração eu soprei:)

(*)

Anónimo disse...

Olá,
há muitos dias que não vinha espreitar os teus poemas. Nem sonhava o que andava a perder... tanta inspiração... é do ar frio do Mindelo? Acho que vou mudar de casa...
Beijos,
Alice