sábado, 24 de novembro de 2007

Transmuto-me

Transmuto-me…
Sou o que tu quiseres!
Madrugo em segredos,
pestanejo canduras
em múltiplas seduções,
íntimas brumas
que os silêncios exigem.
De mansinho
devolvo ao chão
as roupas que me cobrem.
Teu olhar enche-se
de desejos,
inventas gestos no momento
ora delicados,
ora embriagados
numa latência deslumbrante.
O teu nobre título
ficou à porta…
Agora, és macho pujante,
ousado,
degustas deliciado
o festim que te ofereço.

Colei ao meu corpo
pele de felina.
Transfigurei-me
para saciar a tua essência
oculta, dissimulada…
até de novo vestires
o nobre título, que ficou
do outro lado da entrada!

         assinado "Acompanhante de Luxo"

10 comentários:

Manuela Fonseca disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Manuela Fonseca disse...

Belo poema! Belo momento de leitura que aqui nos deixas...

Beijinhos
Manuela

Conceição Bernardino disse...

Sensual, cada vez mais potente este ser poético que nos delicia ao sabor das suas vestes eloquentes.
Digno de supremacia!
uauuuuuuu...

Beijinho
Conceição Bernardino

Um Momento disse...

Que beleza...
Parabéns
Deixo um beijo grande:))

(*)

Maria disse...

Excelente, Rosa!!!!
Soberbo, mesmo!

Beijinho

Paulo Afonso disse...

Olá Amiga Rosinha

Social e sugestivo!
Apelativo e genial...
Uma poesia real e profunda

Parabéns!

Beijo

Um Momento disse...

E aqui passo para te desejar um bom inicio de semana e te oferecer uns "Miminhos " de mim para ti
Beijo grande Rosa e... dia lindo!!!
(*)

Vieira Calado disse...

Grande sensualidade e sensibilidade.
Gostei.
Boa semana para você.

Som Do Silêncio © disse...

Um poema transbordante de sensualidade.
Um beijo grande :)

Alvaro Oliveira disse...

Casualmente encontrei O CANTO DA ROSA. E fiquei maravilhado pelo talento poético demonstrado neste poema sensual e sensivel.

Voltarei, se me for permitido.

Alvaro Oliveira