quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Esqueci o teu nome

Esqueci o teu nome,
lembro apenas o rosto
e as lágrimas
que caíram nas minhas mãos.
Abraçavas a morte e o desamor
numa balada imperfeita
em tons de enredos mentais
tão dolorosos.
Afaguei ao de leve
teu verde olhar,
que de tão verde
a esperança se despiu

-vestiu-se de negro.

Não fiz parte desse quadro
pincelado rudemente
com bofetadas alisadas
por silêncios suicidas.
Paralisada, amarfanhada
de mim, fui autista.

Esqueci o teu nome,
guardei tuas lágrimas
e com elas me lamento.

6 comentários:

Manuela Fonseca disse...

Tantas vezes já fiz "figura de autista" na solidão da minha alma em momentos pares da vida...

O teu poema é belo e sinto-me sentada à beira dele, descansando o verde do olhar...

Beijinhos*
Manuela

Paulo Afonso disse...

Diria que além de um poema lindo descreve uma parte da vida que acontece sem querer e por vezes sem crer...

Beijo grande Amiga

Vanda Paz disse...

Muito bonito amiga, muito bonito

Beijos

Nilson Barcelli disse...

Excelente, este será um dos teus melhores poemas.
Beijinhos.

Lúcia Machado disse...

Olá Rosa :)

Primeiro quero agradecer, a visita ao meu humilde Blog...

É uma honra para mim...que tenha criado um link de acesso directo ao meu REFÚGIO...

Agradeço e fiz o mesmo, porque simplesmente adorei os seus poemas...

Como voçê escreve bem!! Tou maravilhada, identifico-me bastante com a sua forma de escrever...

Espero, um dia alcançar essa sua maturidade nas palavras :)


Beijinho grande e obrigada por abrir para mim as portas deste seu mundo...


Ah...desculpe eu me ter alongado nas palavras ;)

Lúcia Machado disse...

Desculpe...

Esqueci-me de dizer que amei este poema...

Identifiquei-me mt com ele :)