segunda-feira, 8 de outubro de 2007

No labirinto do silêncio


No labirinto do silêncio,
balança a dança
dos sinais
de olhares coloridos
á pressa,
numa mescla
de alegrias
e desventuras.
Nesse labirinto,
desencontro
o caminho perfeito
e numa roda
que rola, enrola,
rebola ,
volto
numa volta tardia
ao ponto de partida.

Silêncio
prazer
volúpia
o encontro secreto
contigo…
...
Amante.

3 comentários:

Vanda Paz disse...

UAU...

Este bateu cá dentro... é dos ares do Mindelo... de certeza...

Beijos

Manuela Fonseca disse...

Lindo poema, linda volta nas palavras que rodopiam nos teus dedos... Adorei!

Jinhos*

Paulo Afonso disse...

O Elo que no liga á vida... feito das coisas que acontecem, nasce o poema e o silêncio dos sentimentos, transportados e apertados nas palavras...
Belo momento.

Beijo AR