segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Não me apresses



Não me apresses
que estou calma,
calada
para todos me ouvirem.
Os momentos desta espera
são únicos,
não te impacientes
ficarei calma assim:

sossegadamente
silenciosa.

         (dela
          tenho sede)

Olha-me com atenção,
que desatentos
não quero mais.

3 comentários:

Paulo Afonso disse...

Olá Rosinha
Estou contigo e com a tua poesia!

"Não me apresses"

"Olha-me com atenção,
que desatentos
não quero mais."


Beijo grande

Nilson Barcelli disse...

Tudo tem o seu tempo...
Rosa Maria, este teu poema é excelente.
Beijinhos

Manuela Fonseca disse...

Não sei se te apresso ou não, apenas sei que nunca me desatento à tua atenção, na tua melhor versão de escrita...

Beijinhos
Nela