quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Jogo de palavras

Jogo de palavras
meticulosamente calculadas
a ferro e fogo,
mascaram-se
na ferrugem da cobardia,
na chama da carnalidade.
Regressa a rotina
do imperceptível charme,
brilho imundo
no olhar dissimulado.
Nas mãos,
de unhas limadas
e verniz transparente,
o vício
toca as teclas do anonimato,
vomita poesia enlatada
em frases obscenas,
provocadoras,
excitantes.

- É macho, muito macho!

Desprezível figura…

(não sabe ele que sou eu
do outro lado do vidro?)

5 comentários:

Mário Margaride disse...

Querida amiga,

Gostei deste teu poema. Deste jogo de palavras.

Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Bravo poeta...!
O teu poema é magnífico. Parabéns.
Beijinhos.

Nilson Barcelli disse...

PS:
O teu perfil não abriu.
Não sei se foi opção tua ou uma falha fortuita.
Se é intencional, lembro-te que sem o perfil não se chega ao teu blog pelos comentários que fazes nos outros.
Para o conseguir é necessário ter o teu link...

Manuela Fonseca disse...

Fenomenal! Cada vez melhor, a tua escrita, amiga!

Adorei, adoro este teu poema!! Quanta coisa aqui dentro destas palavras... Que imagem linda do outro lado do vidro!!

Parabéns!!!

Beijo abençoado***

Bruxinhachellot disse...

Um jogo de palavras poético.

Beijos de Sol e de Lua.