terça-feira, 18 de setembro de 2007

Observo-te


Observo-te
na penumbra da calçada
sonhador, reluzente.
Incógnita espero
que teu majestoso rasto
cruze meu caminho.
Fixo teu olhar
perdido por tantos olhares
que te cercam.
Saboreio teu cheiro
tão chique
tão feiticeiro.
Espero
esperando
que teu toque
me toque por acaso.
E muda continuo
na penumbra da calçada.

Teu rasto passou,
teu olhar não olhou
e o toque
não aconteceu
por acaso.

1 comentário:

Manuela disse...

Delicado e firme! É assim a tua escrita... Encanta quem a lê...

Beijo*